Anestesia geral nos Idosos aumenta o risco de Demência Reviewed by Vida sustentável on . Ser exposto à anestesia geral aumenta o risco de desenvolver demência em pessoas idosas em 35%, de acordo com nova pesquisa do Institut National de la Santé et Ser exposto à anestesia geral aumenta o risco de desenvolver demência em pessoas idosas em 35%, de acordo com nova pesquisa do Institut National de la Santé et Rating:
Você está aqui:Home » Modo de Vida » Anestesia geral nos Idosos aumenta o risco de Demência

Anestesia geral nos Idosos aumenta o risco de Demência

Anestesia geral nos Idosos aumenta o risco de Demência
Ser exposto à anestesia geral aumenta o risco de desenvolver demência em pessoas idosas em 35%, de acordo com nova pesquisa do Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale (INSERM) e da Universidade de Bordeaux, na França. A pesquisa foi apresentada no congresso anual da Sociedade Europeia de Anestesiologia (ESA). Um efeito colateral do uso de anestesia, chamada de Disfunção cognitiva pós-operatória (POCD), está associada com o desenvolvimento posterior de demência de acordo com a pesquisa. É bastante comum em pacientes idosos se queixarem de POCD depois de uma grande cirurgia.

 


Neste novo estudo, os pesquisadores analisaram o risco de demência associada à anestesia em  idosos (com 65 anos ou mais) em potencial, um total de 9.294 pessoas. A equipe utilizou dados entre 1999 e 2001, em três cidades  (Bordeaux, Dijon e Montpellier), o estudo  foi projetado para avaliar o risco de demência e declínio cognitivo devido a fatores de risco vascular.

Os participantes com 65 anos ou mais foram entrevistados no início do estudo e, posteriormente, 2, 4, 7 e 10 anos após. Cada exame incluiu uma avaliação cognitiva completa com o rastreio sistemático de demência. A partir do segundo ano, 7.008 participantes sem demência foram convidados, eles tiveram um histórico de anestesia (anestesia geral (GA) ou local / anestesia loco-regional (LRA)) desde o último acompanhamento . Os dados foram ajustados para ter em conta os potenciais fatores de confusão como status socioeconômico e comorbidades.
A idade média dos participantes foi de 75 anos e 62% eram mulheres. Em 2 anos de testes, 33% dos participantes (n = 2309) relataram uma anestesia ao longo dos dois anos anteriores, com 19% (n = 1333) relatando um GA e 14% (n = 948) a LRA. Um total de 632 (9%) dos participantes desenvolveram demência durante os 8 anos seguintes de acompanhamento, entre eles 284 provável AD e 228 AD possível, e os restantes 120 a demência não-Alzheimer.

 

Os pesquisadores descobriram que os pacientes dementes eram mais propensos a ter recebido anestesia (37%) do que os pacientes sem demência (32%). Esta diferença de anestesia foi devido à diferença no número de quem recebeu anestésicos gerais, com 22% dos pacientes com demência relatando um GA em comparação com 19% dos pacientes não dementes.

 

Após o ajuste, os participantes com pelo menos um GA sobre o teste teve  35% maior risco de desenvolver a demência em comparação com os participantes sem anestesia. O pesquisador chefe, François Sztark afirma: “Estes resultados são a favor de um aumento do risco de demência em vários anos após a anestesia geral. Reconhecimento de POCD é essencial no manejo perioperatório de pacientes idosos. A longo prazo, o acompanhamento desses pacientes deve ser planejado. “

 

Demência é, naturalmente, um termo muito amplo que engloba muitas formas de comprometimento neurológico. E um grande número de fatores, sem dúvida, contribuem para o desenvolvimento de demência, talvez a anestesia como esta pesquisa sugere. Isso não seria realmente uma surpresa. Outra pesquisa recente constatou que a demência tem sido cada vez mais comum, entre as pessoas cada vez mais jovens , durante as duas últimas décadas.

 

[Fonte][Foto]

Voltar para o topo