Presos no Brasil podem Reduzir suas Sentenças produzindo Eletricidade Reviewed by Vida sustentável on .   Embora as prisões estão destinadas a serem lugares onde os criminosos condenados podem pagar suas dívidas para com a sociedade, o confinamento atrás das   Embora as prisões estão destinadas a serem lugares onde os criminosos condenados podem pagar suas dívidas para com a sociedade, o confinamento atrás das Rating:
Você está aqui:Home » Energia alternativa » Presos no Brasil podem Reduzir suas Sentenças produzindo Eletricidade

Presos no Brasil podem Reduzir suas Sentenças produzindo Eletricidade

Presos no Brasil podem Reduzir suas Sentenças produzindo Eletricidade

 

Embora as prisões estão destinadas a serem lugares onde os criminosos condenados podem pagar suas dívidas para com a sociedade, o confinamento atrás das grades raramente produz outra coisa senão a punição da solidão. Mas finalmente o Brasil deu um grande exemplo com um iniciativa inovadora, uma penitenciária em Santa Rita do Sapucaí, São Paulo, os presos estão tendo a oportunidade de reduzir suas penas, enquanto produzem a eletricidade usada para iluminação pública.

 

 

Recentemente foram instaladas na penitenciaria bicicletas estacionárias para geração de eletricidade, como parte de um plano para manter os presos mais ativos e deixando-os contribuir com a sociedade em quanto cumprem a pena. Para cada 16 horas pedalando à bicicleta, os prisioneiros de bom comportamento vão ter um dia a menos em suas sentenças. A energia será então usada para iluminação pública, tornando a comunidade um lugar mais seguro durante a noite quando é usada a energia armazenada em baterias pelos presos.

 

Dado o sucesso do programa, a prisão planeja adicionar mais bicicletas, que vão reduzir as penas, gordurinhas e emissões de carbono tudo ao mesmo tempo!

 

[Fonte]

Sobre o autor

Apenas alguem em busca de uma vida sustentável, um mundo mais feliz, que respeite a natureza e que use a tecnologia em beneficio de todos, principalmente da vida.Veja mais artigos de

Número de entradas : 1511

comentários (2)

Voltar para o topo